06 dezembro 2005

Diagnóstico!

Estou neste momento muito apreensivo...
Com as mãos geladas, passando mal, esperando uma resposta, uma solução, um apalavra, sei lá algo que me conforte, que me sacie.
Fé eu tenho muita, quantidade essa que me dá forças, para enfrentar esse cotidiano suicida...
Poucas palavras amigas foram proferidas...
Preocupação, esse é um estado que me define a quase 1 semana, me sinto num estado temporário de corrosão, acho que a minha hora está chegando, de alguém falar algo, seja confortável ou seja essa de caráter malíguino...
"quanto mais eu aprendo, menos entendo", frase essa se concretiza a cada dia nesta vida maravilhosa que tem sido e há de continuar sendo graças ao Altíssimo e o TODO PODEROSO. Sinto um frio descomunal, um arrepio que começa na espinha dorsal terminando na glândula pineal, não deixando assim, eu racionar de forma clara e concisa... estou à beira de um ataque de nervos compulsivos, esse não deve ter cura... somente depois da decisão ser dita, até o momento estou esperançoso, porém agoniado esperando o fim dessa minissérie da vida real, que eu nunca pensei q iria acontecer comigo mas, está...
Meus sentidos não estão mais aguçados como deveriam estar, parece que estou enclausurado dentro desse perímetro ( minha mesa e minha cadeira ), confinado sem poder se mover ou se levantar, perplexo esperando algo que seja realmente BOM, porque os otimistas sempre vencem apesar das situações adversas...
Está difícil criar um parâmetro linear de idéias, para que juntas consigam exprimir minha atual situação seja ela de emoção ou tristeza, me sinto culpado disso tudo... Não sei porque....
(Relato de um anônimo, prestes a participar da estatística de desemprego do governo Lula).

28 novembro 2005

Já parou pra pensar...


Já parou pra pensar...
Como poderíamos definir a vida...
A única certeza q você tem quando a adquiri é q vai morrer.
Tal contexto gera muitas contradições e opiniões divergentes. Você enxerga do seu lado, pessoas que banalizam certos sentimentos, certos atos e muitas outras coisas, parece até que banalização está na moda. Você trabalha a vida toda para ter uma vida mais díguina num "futuro" e quando vai finalmente desfrutar, acontece algo com a sua saúde, ou algo de muito grave com um ente querido, problemas estes que te disistabilizão de tal forma, que perde-se a vontade de viver por inteiro (conheço exemplos assim). Então pessoas que não detém de nenhum conhecido sobre a vida o universo e tudo mais, falam que isso é castigo, outros falam que nós, seres humanos somos "marionetes de Deus", entre outras coisas que são proferidas sem nenhum conhecimento ou qualquer fundamento, (me sinto mal perto dessas pessoas). Alguns por saberem que vão morrer como todos nós, vivem intensamente, no limite, seguindo fielmente o slogan da administradora de cartões VISA "porque a vida é agora", rs...
Outros se torturam diariamente sem saber porque, devido ao medo de morrer??? não podendo assim consumir determinados produtos que são introduzidos a sua vida sem que você queira ou precise...
"Há mais isso aí é culpa da tal Globalização..."
Ás 19:00 horas liga-se a televisão e visualiza cenas típicas de um filme pornográfico em pleno horário "matutino" (graças ao horário de verão), as crianças ficam perplexas diante desta situação sem entender nada, imagina a expressão facial dos pais que deverão explicar o que é isso e para que serve depois da sessão acabar.
Diante dos exemplos supracitados e de outros, percebemos que a VIDA está se banalizando também (como tudo) e o que estamos fazendo para isso ñ se concretizar? Nada, absolutamente nada...
O brasileiro é conhecido por ter uma memória fraca, será porque "não se alimenta direito"? Ou será q é porque é burro mesmo. E uns ainda insistem em repetir "eu odeio política".
Praticamente algumas pessoas vivem em coma semi profundo ou em estado vegetativo diante de tais fatos que cercam a nossa realidade fatídica.
Temos que repudiar tal cultura que já está se tornando sintomático à nossas VIDAS, como fazer isso, pensem, cada um tem a resposta dentro de si, pensar ñ dói ou será que você não parou pra pensar?

o irreparavel

Quando o irreparável está feito cessam-se as dores vendo-se que poderia ter sido pior aquilo que no fim confiou-se em um desejo ardente. Lamentar um infortúnio que está morto e enterrado é dar o passo certo na direção de atrair para si novo infortúnio. Há sempre aquilo que não pode ser preservado quando o Destino tem as rédeas na mão, mas a Paciência encarrega-se de fazer do prejuízo uma zombaria. Aquele que foi roubado, quando sorri, furta algo do ladrão, e rouba a si mesmo quem se consome em mágoa inútil"(Shakespeare)