28 novembro 2005

Já parou pra pensar...


Já parou pra pensar...
Como poderíamos definir a vida...
A única certeza q você tem quando a adquiri é q vai morrer.
Tal contexto gera muitas contradições e opiniões divergentes. Você enxerga do seu lado, pessoas que banalizam certos sentimentos, certos atos e muitas outras coisas, parece até que banalização está na moda. Você trabalha a vida toda para ter uma vida mais díguina num "futuro" e quando vai finalmente desfrutar, acontece algo com a sua saúde, ou algo de muito grave com um ente querido, problemas estes que te disistabilizão de tal forma, que perde-se a vontade de viver por inteiro (conheço exemplos assim). Então pessoas que não detém de nenhum conhecido sobre a vida o universo e tudo mais, falam que isso é castigo, outros falam que nós, seres humanos somos "marionetes de Deus", entre outras coisas que são proferidas sem nenhum conhecimento ou qualquer fundamento, (me sinto mal perto dessas pessoas). Alguns por saberem que vão morrer como todos nós, vivem intensamente, no limite, seguindo fielmente o slogan da administradora de cartões VISA "porque a vida é agora", rs...
Outros se torturam diariamente sem saber porque, devido ao medo de morrer??? não podendo assim consumir determinados produtos que são introduzidos a sua vida sem que você queira ou precise...
"Há mais isso aí é culpa da tal Globalização..."
Ás 19:00 horas liga-se a televisão e visualiza cenas típicas de um filme pornográfico em pleno horário "matutino" (graças ao horário de verão), as crianças ficam perplexas diante desta situação sem entender nada, imagina a expressão facial dos pais que deverão explicar o que é isso e para que serve depois da sessão acabar.
Diante dos exemplos supracitados e de outros, percebemos que a VIDA está se banalizando também (como tudo) e o que estamos fazendo para isso ñ se concretizar? Nada, absolutamente nada...
O brasileiro é conhecido por ter uma memória fraca, será porque "não se alimenta direito"? Ou será q é porque é burro mesmo. E uns ainda insistem em repetir "eu odeio política".
Praticamente algumas pessoas vivem em coma semi profundo ou em estado vegetativo diante de tais fatos que cercam a nossa realidade fatídica.
Temos que repudiar tal cultura que já está se tornando sintomático à nossas VIDAS, como fazer isso, pensem, cada um tem a resposta dentro de si, pensar ñ dói ou será que você não parou pra pensar?

1 Comments:

Anonymous Pixo said...

Cara, acredito que essa coisa de dar um "sentido" pra vida seja um discurso comprado, sei lá ... A sociedade sempre cobra isso da gente ... ter uma família, pra ser um Homem digno ... ter uma religião, pra ser um Homem de princípios... Que sentido é esse ? Que busca é essa por felicidade ? Como se a felicidade fosse aquela dos Deuses gregos ( um objeto, que foi escondido, e que nossa busca deve ser por encontrá-la). hoje em dia felicidade é ter um carro bonito, uma TV de plasma ... enfim a felicidade,ao meu ver, não deve ser tratada como alguma "coisa" ou como o tesouro da nossa busca... não vejo nada de errado em a vida não ter sentido pra mim. O que tem sentido são as pessoas ao meu redor, a política, o amor ... "coisas" mundanas, sabe ? não acho legal em pensar que o que é bom é aquilo que não temos.

Ps.: Concluindo... deixo aqui uma contribuição de Berthold Brecht sobre os que não gostam de política. O texto se chama: "analfabeto político", aí vai ele ...

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

"O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais. "

segunda-feira, dezembro 05, 2005  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home